Conheça 5 exemplos de propaganda enganosa e entenda a importância de ser transparente em suas campanhas

Ícone Ideal Marketing

Por:

Publicado: 31 de agosto de 2018 | Atualizado: 9 de outubro de 2020.

Você conhece exemplos de propaganda enganosa? Provavelmente sim, afinal, vira e mexe nos deparamos com empresas que foram punidas por não serem tão verdadeiras nas afirmações que descrevem seus produtos. Vem com a gente conhecer alguns casos de propaganda enganosa que envolveram marcas gigantes!

Está sem tempo de ler agora? Baixe este conteúdo e acesse offline

Um dos pontos básicos de toda propaganda com a missão de divulgar produtos ou serviços é levar ao consumidor a ideia e proposta daquilo que é ofertado a ele.

De modo geral, para isso, usa-se imagens do produto, descrições contendo a função dele, além de outros elementos com o fim de informar e atrair o possível cliente.

Dentro de todo esse processo é dever dos profissionais envolvidos construir uma propaganda pautada na realidade do produto e que seja capaz de transmitir aquilo que realmente será entregue ao consumidor.

Do contrário, dá-se origem a famosa “propaganda enganosa”.

E nos dias de hoje, com consumidores altamente críticos e um mercado cada vez mais competitivo, é claro que a sua marca não pode se arriscar a ferir a imagem e reputação por veicular uma publicidade enganosa e abusiva.

Afinal, você já deve ter visto por aí repercussões a respeito de grandes marcas que sofreram graves penalidades por divulgarem anúncios com informações, que chegavam a ser mínimos detalhes, inválidas.

Mas ainda que sejam mínimos os detalhes errados, como dissemos, o anúncio precisa ser capaz de traduzir toda a verdade e funcionalidade por trás da oferta, portanto é indispensável se atentar até mesmo nos dados mais triviais.

Por isso, preparamos este conteúdo com casos delicados de propaganda enganosa, envolvendo marcas importantes, para que você passe bem longe de cometer um erro assim.

Vamos começar?

1. Coca-cola

Cola Cola

A Coca-cola foi punida com uma multa de R$ 1.158.908,00 por publicidade enganosa.

Esse é, aliás, um dos exemplos de propaganda enganosa mais relevantes a serem mencionados.

Isso porque como dissemos na introdução, muitas vezes a falha da campanha está nos mínimos detalhes e esse caso retrata perfeitamente essa questão.

A empresa foi multada por usar termos incoerentes na descrição de determinada oferta: um suco de “laranja caseira”.

De acordo com nota do ministério da justiça, houve ofensa ao código de defesa do consumidor quando o anunciante não esclareceu que o produto é um “néctar” e não “suco.

Isso quer dizer que foi omitido do consumidor o fato de que a bebida possui aditivos de água, além do suco da fruta.

2. Nutella

Nutella

Em 2012 a Nutella sofreu graves denúncias. Isso porque em seus anúncios a empresa afirmava que seu produto era um elemento saudável para o café da manhã das crianças, além de conter vários benefícios nutricionais.

No entanto tais afirmações não condizem com as informações nutricionais presentes no rótulo da embalagem.

O chocolate Nutella, na realidade, possui mais de 20 gramas de açúcar e 11 gramas de gordura por porção. Uma mãe, na Califórnia, processou a empresa dizendo se sentir enganada, ela vinha servindo o produto ao filho por algum tempo.

A penalidade acabou custando à Nutella mais de US$ 3 milhões.

Além disso, a marca foi condenada a ressarcir consumidores em particular que haviam comprado unidades do produto entre 2008 e 2012.

Contudo, a empresa teve que mudar seus anúncios e agora deve listar, claramente, o teor de açúcar de seus produtos na frente da embalagem. O objetivo é que ela seja mais transparente com o consumidor.

Esse também é um dos clássicos exemplos de propaganda enganosa.

Como podemos ver é extremamente importante criar anúncios com informações fiéis a realidade da oferta. Do contrário, além de correr riscos de ser punido, a sua marca também ficará comprometida diante da opinião pública.

3. Activia

Activia

A marca Activia também integra essa lista com exemplos de propaganda enganosa

A Danone, grande empresa a qual fabrica o iogurte Activia, foi penalizada por fazer afirmações falsas sobre o produto.

Suas campanhas, vistas como propaganda enganosa, usava palavras como “clinicamente” e ” cientificamente” para comprovar os benefícios do iogurte.

Essa escolha de termos feita pela equipe de marketing gerou repercussão negativa visto o fato de não haver, de fato, comprovações científicas acerca dos benefícios do produto,

A Danone foi penalizada e teve que pagar US$ 35 milhões para alguns consumidores. Além disso, precisou reformular as afirmações feitas na publicidade.

Vale pontuar que a empresa já tinha gasto cerca de US$ 100 milhões em propagandas e chegou até a cobrar mais caro por esse iogurte probiótico “cientificamente comprovado”.

Mas embora tenha se curvado diante do acordo legal, a empresa se recusou a assumir qualquer irregularidade.

4. Red Bull

Red Bull

A Red Bull também não escapou da lista com exemplos de propaganda enganosa.

Esse case, aliás, merece atenção. Aqui não falaremos de detalhes, mas de elementos bastante significativos!

Bom, não é ético prometer resultados que jamais se tornarão realidade, como dar “asas” e capacidade de voar aos consumidores.

O popular energético Red Bull fez exatamente isso, publicidade que lhe custou nada menos o prejuízo de US$ 13 milhões em indenizações.

É evidente que ninguém esperava, realmente, ganhar asas ao tomar a bebida, afinal, não dá para encarar a propaganda no sentido literal de suas palavras. No entanto, o slogan da marca sugeria fortemente que beber uma lata de Red Bull daria ao consumidor mais clareza mental e energia, além de potencializar sua concentração.

Quando, porém, nenhuma evidência clínica foi constatada para embasar esse tipo de alegação, a empresa foi punida a pagar seus clientes no ano de 2002.

5. Volkswagen

Volkswagen

Entre 2008 e 2015, a marca Volkswagen vendeu mais de 550.000 carros falsamente atribuídos como portadores de “diesel limpo”. Inclusive, há rumores de que houve trapaça para que eles passassem em testes de “emissões limpas”.

Os veículos em questão levaram os motoristas a acreditarem que estavam diminuindo o impacto negativo das emissões de carbono no meio ambiente, quando estavam, na realidade, emitindo 40 vezes mais óxido de nitrogênio do que o nível permitido

Ou seja, um claro exemplo sobre o que é propaganda enganosa.

Diante desse cenário, as autoridades norte-americanas e europeias iniciaram investigações criminais contra a empresa.

Não foi divulgado nada a respeito de valores e punições, mas há rumores de que a Volkswagen reservou cerca de US$ 18 bilhões para arcar com honorários legais.

Impactado com esses exemplos de propaganda enganosa? Guarde-os na memória e mantenha sua marca longe de iniciativas assim.

Eaí, o que achou desses exemplos de propaganda enganosa e abusiva em alguns casos?

Surpreendentes, não é mesmo?

Bom, o importante é que agora, depois de conhecermos cases delicados de marcas grandes como a Coca-coca, Activia, Volkswagen, Red Bull e Nutella, você já sabe como passar bem longe de campanhas dos tipos mencionados aqui.

Isso porque vimos juntos como podem ser graves as penalidades sofridas ao veicular propaganda enganosa e, além das punições, é claro que você não quer negativar sua marca diante do público, certo?

Por isso, fique bem atento em todo processo de criação das suas ações publicitárias, escolha profissionais de marketing capacitados e os oriente na elaboração de propagandas fieis a realidade de seu produto.

Aliás, se quiser uma ajudinha nessa tarefa além de conhecer mais sobre a área, não deixe de conferir nosso conteúdo sobre os principais tipos de marketing!

Compartilhe nas Redes Sociais!